Cuidados para viajar e deixar o gato sozinho em casa

Publicado em 2 de Janeiro de 2019 às 11h

Casa x hotelzinho

Cuidados para viajar e deixar o gato sozinho em casa

Os gatos podem ser independentes, mas são muito apegados a seus hábitos e ambientes preferidos. Por isso, quando você fizer viagens curtas, vale mais a pena deixá-los em casa do que nos hotéis especializados em pets. 

"Gato se estressa facilmente e é muito sensível. Então não é recomendável que mude de ambiente. Até uma mudança brusca de móveis dentro de casa pode causar estresse no animal. A história que ouvimos por aí de que 'O gato não é apegado à casa, só volta para comer' não é verdade. Gatos são apegados à casa e aos donos, sim. Por isso ficam estressados quando se muda a rotina deles", afirma a veterinária Valéria Arouche. 

Visitas
 

Imprevistos acontecem. Gatos são animais exploradores, adoram subir em tudo e, se houver algum acidente, o ideal é saber o mais rápido possível. O mesmo vale se o bichinho ficar doente justamente no dia em que você se ausentou. Deixe a chave de casa com alguém de sua confiança para que possa checar se está tudo bem.

"Sempre aconselho que, se possível, alguém visite o animal uma vez ao dia. Não é nem pela necessidade da companhia, mas sim para verificar se o animal está fazendo as necessidades corretamente (fezes, xixi na caixinha), se não há vômito no local ou sinais de doença. Caso a pessoa observe algo estranho, fica mais fácil acionar um veterinário. Se o gato fica um período sem se sentir bem, perdem-se alguns dias que poderiam ter sido usados para cuidar da saúde dele", alerta a veterinária.

Para prevenir acidentes, também é importante checar a casa antes de sair: "Em termos de cuidados extras, isso depende do ambiente onde o gato vive: o ideal é checar se as janelas e portas estão fechadas. Se for numa casa ou apartamento com telas de proteção, verificar se está tudo OK com as telas para evitar eventuais acidentes durante a ausência do dono". 

Alimentação
 

Calcule a quantidade de ração e água que o gatinho consome normalmente e multiplique pelos dias que você ficará ausente. Divida em refeições e, de preferência, use comedores automáticos, que liberam os alimentos aos poucos. 

"Se você deixa muita comida à disposição, não significa que ele vá comer tudo de uma vez, porém o que ocorre é que a comida começa a murchar e perder o aspecto crocante/fresco e o animal tende a não querer comer mais. O paladar felino é mais exigente; então, se ele não considerar fresco o alimento, tende a rejeitá-lo. A comida não faltará; na verdade, vai sobrar porque ele não vai querer mais", explica a especialista. "A melhor maneira de acomodar os suprimentos para eles são comedores do tipo automático que liberam água/comida de acordo com o que se programou ou à medida que o animal consome. O ideal, por exemplo, é dividir em 3 refeições/dia, por exemplo." 

Tempo de ausência

 

Tudo bem que o gato é um animal independente, mas isso não significa que você possa deixá-lo sozinho por um mês inteiro, ou ficar longe todos os finais de semana. Como todo pet, ele precisa de carinho, atenção e cuidados. 
 
"Mantendo o gato no ambiente dele, um final de semana é um tempo tranquilo para deixá-lo sozinho", explica Valéria. "O gato pode se estressar com a ausência muito frequente do dono, pois é mais sensível a esse tipo de mudança na rotina dele. Caso já esteja acostumado a alguns dias de ausência do dono, ele não deverá sofrer tanto."

Se você vai viajar por pouco tempo, tudo bem deixar o gato sozinho em casa. Só não se esqueça de adotar as medidas necessárias e de encarregar alguém de fazer algumas visitinhas ao bichano. 
 

O Passe Digital é um site colaborativo de artigos, e seu conteúdo é de responsabilidade de seus autores. O site Passe Digital não compactua com qualquer prática ilícita, ou com a publicação de conteúdo que viole direitos autorais. Havendo qualquer denúncia acerca dessa postagem, por favor nos informe clicando aqui.
Fale conoscoComo colaborarQuem somosVersão mobile
Passe Digital - um produto da LinkWS - desde 2016