• Home  
  •   
  • Ci?ncia  
  •   
  • Tratamento contra Alzheimer começará a ser testado em humanos  

Tratamento contra Alzheimer começará a ser testado em humanos

Publicado em 20 de Dezembro de 2018 às 10h

Pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, estão prestes a testar em humanos um tratamento contra o Alzheimer que utiliza bolhas de gás microscópicas. Os tratamentos experimentais estão previstos para começar já no final de 2019.

Segundo a equipe, quando entram em contato com energia ultrassônica, essas bolhas de gás são capazes de romper as barreiras que impedem a remoção das placas amiloides (responsáveis por interferir no processo de sinapse dos neurônios). No início deste ano, o projeto já havia mostrado um bom resultado ao inverter com sucesso os sintomas de demência e diminuir o número de placas em camundongos idosos. 


"Todos os cérebros mudam com a idade, se tornando mais frágeis. Como o Alzheimer é uma doença relacionada ao tempo, queríamos investigar se nossa tecnologia de ultrassom é segura para ser usada em cérebros mais antigos", disse o pesquisador Gerhard Leinenga, em fevereiro. "Os ratos que tratamos neste estudo seriam o equivalente humano de 80 a 90 anos de idade."

 

Na última terça-feira (18), Pankaj Sah, professor-diretor da área especializada no estudo cerebral na universidade, confirmou que os testes mostraram a abertura temporária das barreiras hematoencefálica, o que facilitou a remoção das placas tóxicas. Ainda, todos os sintomas do Alzheimer foram revertidos com sucesso e as funções da memória se restauraram – pelo menos nos animais.

Sobre o Alzheimer

A barreira hematoencefálica é feita de células achatadas que envolve todos os vasos sanguíneos do sistema nervoso central. Ela serve para proteger o tecido neural de toxinas que circulam na corrente sanguínea, além de permitir (ou não) a entrada de gases respiratórios, açúcares e pequenas moléculas de sinalização, como os hormônios.

Embora a camada previna a entrada de elementos perigosos no cérebro, ela também acaba bloquenado o acesso da maioria dos medicamentos e limita o trabalho das células do sistema imunológico. A consequência é que o corpo se torna incapaz de remover as proteínas que formam as placas amiloides.

De acordo com os pesquisadores, a energia usada do ultrassom incentiva as microbolhas a quebrarem essas barreiras e conseguirem o espaço necessário para que os remédios atuem e, assim, combatam as placas amiloides.

Por mais promissores que sejam os resultados em animais, outros pesquisadores sugerem que a placa amilóide, causadora da demência, não seja o único motivo para a doença. Assim, ainda é necessário que se comprove que a melhora nos ratos estudados pela equipe da Universidade de Queensland realmente foi motivada pelo rompimento das barreiras ou se as bolhas acabaram afetando outro fator que também ocasiona o Alzheimer.

Atualmente, não há terapias aprovadas para Alzheimer ou qualquer outro tipo de demência, apenas medicamentos que ajudam a controlar os efeitos colaterais.

O Passe Digital é um site colaborativo de artigos, e seu conteúdo é de responsabilidade de seus autores. O site Passe Digital não compactua com qualquer prática ilícita, ou com a publicação de conteúdo que viole direitos autorais. Havendo qualquer denúncia acerca dessa postagem, por favor nos informe clicando aqui.
A seguir várias soluções para seu negócio:
E-mail marketingValidação de e-mailsValidação de telefonesAtendimento via WhatsappDivulgação de produtosAnti-SPAMVárias ferramentas de marketing
Fale conoscoComo colaborarQuem somosVersão mobile
Passe Digital - um produto da LinkWS - desde 2016