Clássico Ford F100

Publicado em 10 de Março de 2019 às 09h

Ford F 100,  primeira picape da série F da Ford foi introduzida em 1948, substituindo o modelo anterior, construído na plataforma dos automóveis da linha.

Ford F 100

Era uma picape com aparência moderna e com caçamba de superfície plana, de peça única e faróis integrados à carroceria.

Trazia vários opcionais, como limpador e lavador do pára-brisa (com êmbolo acionado pelo pé), pára-sol para o passageiro, e do passageiro lateral tail light.

A picape F-1 era também disponível com frisos cromados e duas buzinas como opcional.

Todas as séries F estavam disponíveis com tração 4×4 até 1959.

Design das picapes F-Series pouco mudaram a partir de 1948 a 1952.

A partir de 1948 a 1950, a grade era uma série de barras horizontais e os faróis fixados nos para-lamas.

Para 1951 e 1952, os faróis eram ligados por uma larga cruz aerodinâmica fixa com três suportes similarmente aerodinâmicos.

O vidro traseiro era mais amplo, e mais tarde o painel de instrumentos foi redesenhado.

As picapes F-Series foram construídas em dezesseis diferentes Ford plantas.

Pelos números de série pode-se saber o modelo, motor, ano, a planta de montagem, número e unidade.

O modelo mais comum foi a F-1 com uma caçamba de 6 ½-pé seguido pelo F-2 e F-3 Express, com caçamba de 2.4m.

Primeira picape s�ria F da Ford

Modelos

• F-1: 1/2 ton (4,700 GVWR max)
• F-2: 3/4 ton (5,700 GVWR max)
• F-3: Heavy Duty 3/4 ton (6,800 GVWR max)
• F-3: Parcel Delivery (7,000 GVWR max) & optional rear spring pkg (7,800 GVWR max)
• F-4: 1 ton (7,500 GVWR max) & optional 1 1/4 ton pkg (10,000 GVWR max)
• F-5: 1 1/2 ton: Conventional, school bus, and cab over engine (C.O.E.) (10,000-14,500 GVWR)
• F-6: 2 ton: Conventional, school bus, and C.O.E. (14,000-16,000 GVWR)
• F-7: Conventional (17,000-19,000 GVWR)
• F-8: Conventional (20,000-22,000 GVWR)

Motores

• 1948–1951: 226 CID Flathead 6 (L-head) (H or Rouge 226), 95 hp (71 kW) @ 3.300 rpm da F-1 até à F-6
• 1948–1952: 239 CID Flathead V-8 (R or Rouge 239), 100 hp (75 kW) @ 3.800 rpm da F-1 até à F-6
• 1952–1953: 215 CID Straight-6 (overhead valve), 101 hp (75 kW)
• 1948–1951: 254 CID Flathead 6 (L-head) (M ou Rouge 254), 110 hp (82 kW) @ 3.400 rpm na F-6 apenas
• 1948–1951: 337 CID Flathead V-8 (E or Rouge 337). 145 hp (108 kW) @ 3.600 rpm na F-7 e na F-8 apenas
• 1952–1955: 279 CID V8 válvulas suspensas (EAL), 145 hp (108 kW) @ 3.800 rpm na F-7 apenas
• 1952–1955: 317 CID V8 válvulas suspensas (EAM), 155 hp (116 kW) @ 3.900 rpm na F-8 apenas

Transmissões

• Manual, 3 marchas light duty, F-1 apenas
• Manual, 3 marchas heavy duty, da F-1 até à F-5
• Manual, 4 marchas (engrenagem reta), da F-1 até à F-6
• Manual, 4 marchas Synchro-Silent, da F-4 até à F-6
• Manual, 5 marchas overdrive, F-7 e F-8
• Manual, 5 marchas direct drive, F-7 e F-8

Segunda Geração (1953-1956)

A F-Series foi redesenhada para 1953 com um olhar mais integrado.

Os emblemas também incorporaram os seus nomes conhecidos: A F-1 já se tornou o F-100, o F-2 agora passou a ser o F-250, e da F-3 já se tornou o 1 tonelada F-350.

Começando com os modelos 1956, a Ford oferece muito raras “Low GVWR” versões de cada modelo.

Interiores eram novos, incluindo uma cúpula leve, descansa braço, e pára-sóis. Em 13 de março de 1953, “Ford-O-Matic” câmbio automático se tornaram uma opção.

Na segunda geração dos caminhões, foram construídos no Brasil de 1957 a 1962 como o F-100, F-350 e F-600.

Segunda gera��o Ford F 100

Modelos

• F-100: 1/2 ton (5,000 GVWR max)
• F-110: 1/2 ton (4,000 GVWR max)
• F-250: 3/4 ton (7,400 GVWR max)
• F-260: 3/4 ton (4,900 GVWR max)
• F-350: 1 ton (9,800 GVWR max)
• F-360: 1 ton (7,700 GVWR max)
• F-500
• F-900

Motores

• 1953 – 239 CID (3.9 L) V8, 100 hp (74.6 kW)
• 1953 – 215 CID (3.5 L) 6 cilindros, 101 hp (75.3 kW)
• 1954-1955 – 223 CID (3.7 L) “Mileage Maker” 6 cilindros, 115 hp (86 kW)
• 1954-1955 – 239 CID (3.9 L) Y-block “Power King” V8, 130 hp (97 kW)
• 1956 – 223 CID (3.7 L) “Mileage Maker” 6 cilindros, 137 hp (102 kW)
• 1956 – 272 CID (4.5 L) Y-block V8, 173 hp (129 kW)

Terceira Geração (1957-1960)

A picape foi remodelads novamente em 1957 com um capuz que ficou nivelado com os para lamas e de uma nova grade cromada.

Na traseira, os tradicionais paralamas traseiros separados passaram a se chamar flareside, enquanto um novo bom olhar em frente e verso era conhecido comostyleside. 4×4 O eixo motriz, que era terceirizado para Marmon-Herrington agora é produzida em casa pela Ford Motor Company em 1959 até os dias atuais.

A Ford oferece ainda uma versão “Low GVWR” de cada modelo.

Em maio 1957 Ford descontinuado tornando todos os caminhões na Highland Park Ford Plant em Highland Park (Michigan).

Todos os caminhões pesados foram transferidos para o Kentucky Truck Assembly em Louisville, Kentucky.

Terceira geração caminhões, foram construídos no Brasil como o F-100, F-350 e F-600 a partir de 1962 a 1971.

Terceira gera��o Ford F100

Modelos

• F-100 (F10, F11, F14): 1/2 ton (4,000-5,000 GVWR max)
• F-100 (F18, F19)(4X4): 1/2 ton (4,000-5,600 GVWR max)
• F-250 (F25, F26): 3/4 ton (4,900-7,400 GVWR max)
• F-250 (F28, F29)(4X4): 3/4 ton (4,900-7,400 GVWR max)
• F-350 (F35, F36): 1 ton (7,700-9,800 GVWR max)
• F-500 (F50, F51), : 1 1/2 ton (10,000-15,000 GVWR max)

Motores

• 1958-1960 – 223 CID (3.7 L) I6, 137 hp (102 kW)
• 1958 – 272 CID (4.5 L) Ford Y-block engine#272|Y-block V8, 173 hp (129 kW)
• 1959-1960 – 292 CID (4.8 L) Ford Y-block engine#292|Y-block V8, 186 hp (139 kW)

Chegado no Brasil

Em outubro de 1957, a Ford começava a produzir em sua fábrica no bairro do Ipiranga, São Paulo, a picape F-100.

O modelo seguiu o caminhão leve F-600, cuja fabricação começou um ano antes.

Derivada da primeira geração de 1953, a F-100 feita no Brasil tinha semelhanças com a versão de 1956 dos EUA, incorporando um motor V8 4.5 de 167 cv com 38,7 kgfm e transmissão manual de três marchas na coluna de direção, que era mecânica.

O propulsor era importado, mas em 1958, passou a ser feito no país.

F 100 no Brasil

F100 no Brasil

F 100 no Brasil

Com cabine simples, a F-100 tinha caçamba step-side com para-lamas salientes, mas sua caçamba estreita não agradou muitos proprietários no Brasil, especialmente aqueles que transportavam alimentos perecíveis pelo país.

Interior Ford F100

Motor Ford F 100

Assim, os donos trocavam a caçamba de aço por uma de madeira, mais espaçosa.

Os freios eram a tambor, tanto na dianteira quanto na traseira.

Isso levou a Ford a lançar uma versão da F-100 sem caçamba, deixando assim os proprietários livres para escolherem o melhor implemento.

Em 1959, a picape recebeu mudanças no visual, ganhando um para-brisa maior e envolvente, bem como um painel de instrumentos resenhado e nas cores verde e amarelo, fazendo referência à produção do modelo no Brasil. Vinha até com o nome “brasileiro”.

Com 4,67 m de comprimento e Já no ano de 1961, a Ford lança uma versão com caçamba mais larga, chamada Styleside e disponibiliza também versões perua e furgão.

Mas apesar do uso comercial da maioria dos clientes, começaram a aparecer consumidores que passaram a usar a F-100 para passeio.

Assim, em 1965, a Ford lança duas versões da F-100, sendo a Passeio para o lazer, tendo esta suspensão mais macia, bem como a Rancheiro, que era voltada para o trabalho.

Desde sempre, o marketing da marca americana focava na robustez e confiabilidade mecânica, bem como na grande rede de concessionárias, que nos anos 60 tinha mais de 300 lojas.

Ford F 100 1965

Ford F100 interior

Três anos depois, a Ford lançava a F-100 com suspensão dianteira independente, a famosa Twin-I-Beam, que utilizava molas helicoidais.

O conforto e a dirigibilidade aumentaram muito.

No entanto, nos anos 70, a Crise do Petróleo obrigou ao uso do motor 2.3 de quatro cilindros, o mesmo do Maverick, entregando 120 cv.

F 100 1975

F 100 1975 interior

Por fim, em 1979, a F-100 era renomeada F-1000 e vinha com opção de motor diesel, assim como direção hidráulica, freios dianteiros a disco e capacidade para uma tonelada de carga, mas compartilhando ainda muitos itens com a velha picape.

Fonte Diário de Motorista

O Passe Digital é um site colaborativo de artigos, e seu conteúdo é de responsabilidade de seus autores. O site Passe Digital não compactua com qualquer prática ilícita, ou com a publicação de conteúdo que viole direitos autorais. Havendo qualquer denúncia acerca dessa postagem, por favor nos informe clicando aqui.
Fale conoscoComo colaborarQuem somosVersão mobile
Passe Digital - um produto da LinkWS - desde 2016